sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Diário de Outra Adolescente Cristã: Todos os capítulos



Há tanto pra contar e compartilhar com vocês através do Diário que eu resolvi dar uma organizada nele para facilitar a leitura rs... Há coisas que eu fico até envergonhada de falar, mas se vai ajudar alguém vale a pena. Por que no final das contas muitas situações da nossa vida acabam sendo parecidas, quantas vezes a experiência de alguém também me ajudou, inclusive experiências descritas nos outros diários que nos temos neste blog \o/. E já que está tudo aí em ordem, você pode aproveitar e compartilhar e ajudar alguém também...

Capítulo 1 - Em busca do primeiro amor
Capítulo 2 - Indo para a escola
Capítulo 3 - Fugindo da FJU
Capítulo 4 - A noticia bomba e o muro
Capítulo 5 - O dia em que eu apanhei na escola
Capítulo 6 - Pulando o muro
Capítulo 7 - O leão e a pergunta
Capítulo 8 - Lutando contra a natureza
Capítulo 9 - Árvore sem frutos
Capítulo 10 - Oi? Falou comigo?
Capítulo 11 - O dia em que minha vida começou
Capítulo 12 - Buscando e buscando ainda mais...
Capítulo 13 - A consagração e a fila
Capítulo 14 - Recebendo um chamado
Capítulo 15 - Jasobeão e a reunião de candidatos
Capítulo 16 - Meus 15 anos
Capítulo 17 - Ajudando na EBI
Capítulo 18 - Cooperadores de Deus
Capítulo 19 - Valeu a pena cada balinha
Capítulo 20 - Uma pergunta, um alerta e uma autorização
Capítulo 21 - Alguém tem algo contra?
Capítulo 22 - O uniforme
Capítulo 23 - Imatura! Imatura! Imatura!

As terças-feiras tem capítulo novo. Bjs e até lá!




Fazendo a Coisa Certa: Não se enganar com o amor do coração

Sabe aquela paixão ardente? Eu sei, e já fui amada dessa forma.
Ele me amava tanto, me dizia que eu era a pessoa mais importante do mundo para ele. Lembro que uma vez ele pegou um papelzinho do filme “A vida é Bela”, e acrescentou: “Minha vida é a Bela”.
Ohhhhh, que lindo, quanto amor!
Tão romântico, me escrevia tantas coisas lindas, era carinhoso... Dizia que o nosso amor era para a vida toda.
E um dia ele simplesmente ficou com outra menina.
Pois é, amigas, quem leu o meu diário conhece essa história...
E será que ele não sentia nada por mim? Claro que sentia, ele era apaixonado! Mas ele se apaixonou por outra depois, assim mesmo, como se a nossa história não tivesse acontecido.
Esse é o amor do coração.
É o sentimento que vem e depois vai. É aquele que busca apenas receber para si mesmo.
É aquele que pode arder em paixão, mas como fogo de palha, depois apaga.
Amiga, fuja desse amor. Esse é o amor que o mundo oferece.
Depois de sofrer, conheci o Verdadeiro Amor! Graças a Deus, o amor de Deus é totalmente o oposto do amor do coração.
Amiga, não se deixe enganar, o amor de Deus é assim:
“O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha.
 Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor.
 O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade.
 Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
 O amor jamais acaba.”
1 Coríntios 13:4-8
 
Isabela Nascimento
 

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Fazendo a Coisa Certa: saber conviver com os outros.


Você já percebeu que mesmo sendo adultos, nos influenciamos com o que ouvimos, com o jeito das pessoas com quem convivemos? Se você quiser fazer um teste, passe um tempo em um outro Estado, e você verá que o seu jeito de falar vai começar a ficar parecido com o das pessoas de lá. Não é assim?
A convivência com outras pessoas é uma oportunidade excelente que temos de aprender mais com o outro e de passarmos algo de nós também, que vai influenciá-las.
Mas conviver com outros nunca é tarefa fácil, pois cada um tem um jeito, uma personalidade, que foi moldada pela sua história de vida.
Tem gente que tem tanta dificuldade de lidar com o outro que prefere se isolar. Às vezes até por ter sido decepcionada por alguém no passado, a pessoa por medo de sofrer de novo, prefere ficar sozinha. Ou ainda simplesmente pelo fato de que tem tanta dificuldade em aceitar os defeitos do outro, acha melhor permanecer só.
A Bíblia diz em Provérbios 18:1:
“Quem se isola, busca interesses egoístas, e se rebela contra a verdadeira sabedoria”.
Então entendemos que se isolar não é bom! Pode ser mais fácil, mas não é uma atitude sábia.
O Senhor Jesus não tinha defeitos, mas gostava de conviver com pessoas cheias de falhas, teimosas, inseguras, tímidas etc. E não apenas convivia, mas acreditava no potencial de cada uma delas. Ele não olhava para as fraquezas que elas tinham, mas no que tinham de bom.
Deus nos dá o exemplo todos os dias, nos perdoando e nos dando uma nova chance. Ele que é santíssimo, se submete a habitar dentro de nós, que somos tão falhos!
Vamos seguir esse exemplo? Vamos ter mais paciência com os que estão à nossa volta? Vamos relevar as falhas que os outros cometem? Vamos nos esforçar para lidar com os defeitos de cada um e olhar para o que eles tem de bom? Vamos perdoar quem nos decepcionou?

Isabela Nascimento

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Diário de Outra Adolescente Cristã: Cap 23- Imatura! Imatura! Imatura!



Eu olhava fixamente para o espelho com uma cara bem séria e engrossei a voz como podia:
- Boom diaa.
- Não Ari, tá artificial, faz normal...- A My me falou,
Então bem meiga, com os ombros encolhidos e a cabeça inclinada para o lado, eu tentei de novo:
- Bom dia!
- Não. Não. Desse jeito ninguém vai te levar a sério... Tem que falar revoltada.
- Own... Eu vou aprender My.
Eu fiquei repetindo bom dia, bom dia, bom dia milhares de vezes, enquanto ensaiava o meu andar revoltado. Você pode imaginar como é um andar revoltado? rs
- Ha...ha...ha...- A De caiu na risada enquanto se encostava na parede branca do quartinho das obreiras, ela achava que sabia fazer um bom dia melhor. 
A verdade era que todas as vezes que estávamos juntas por um motivo ou por outro caiamos na gargalhada, aquela engraçadinha tinha sempre uma piada na ponta da língua, então perdíamos a noção de onde estávamos e não parávamos de falar e rir ao mesmo tempo o que nos levava a ser chamada daquela palavra...

Sinceramente eu não sei quem foi que me disse isso, ou se eu mesmo me denominei, mas em algum momento eu ouvi aquela palavra que me atingiu em cheio: I-MA-TU-RI-DA-DE. Então ela começou a me persegui.
Eu era uma menina esforçada, sempre dava o meu melhor como obreira, era responsável nos meus compromissos, estudava, ajudava em casa, porém bastava eu ri quando não deveria, tropeçar em alguma coisa, derrubar algo, ser vista brincando ou receber algum olhar de desaprovação de alguém, que logo me vinha a mente uma enxurrada de pensamentos tipo assim:
- Imatura! Imatura! Imatura! Você nunca vai crescer menina? A obra de Deus não é para crianças!

Também me sentia muito mal quando era chamada de obreirinha, menininha, irmãnzinha e etc, ainda que fosse carinhosamente... Ou quando eu me arrumava e alguém me perguntava:

- Uhmmm... Toda arrumadinha, está tentando parecer mais velha?

Isso por que mais arrumada para mim, era quando usava roupas que não eram para minha idade. Roupas bem social, com muito preto e cinza, bem distante de uma jovenzinha de 15 anos. Por que eu me inspirava em mulheres mais velhas, eu ficava me comparando com elas, me martirizando, e tentando ser alguém que não era eu, como tentar representar um papel todo o tempo. O papel de uma mulher séria, centrada, com uma imagem espiritual, que não ri a toa, mas que se porta com firmeza diante de todos… Ufa! Era muito cansativo, como ficar lutando contra a própria personalidade constantemente.

“O que eu posso fazer para ser mais madura?”

Eu me perguntava isso o tempo todo, eu não fazia a minima ideia do que fazer ou por onde começar. Um dia estávamos eu e a Cris de uniforme aguardando na sala de campanha, quando eu perguntei para ela bem baixinho:
- Você já sabe o que fazer para amadurecer?
Ela balançou a cabeça num sinal de negativo com uma carinha bem engraçadinha e me respondeu quase sussurrando:
- Não sei... Acho que eu só vou amadurecer depois que eu casar.

Será? O que vocês acham?

Semana que vem tem mais...



sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Fazendo a Coisa Certa: Acertar no cabelo oriental

Eu sempre ouvi das minhas amigas: “você tem sorte de ter cabelo de japonesa!”. Concordo que tem suas vantagens em ter o cabelo liso e grosso naturalmente, dá muito menos trabalho para arrumar, mas como toda mulher, eu enjoo do mesmo visual todos os dias.
Para quem tem cabelo liso, nada como ter uma ocasião para poder se encher de cachos!! #amo!
É, vai entender a mulherada, nunca está satisfeita... quem tem cabelo enrolado quer alisar, quem tem liso quer enrolar kkk
E outra coisa que enjoa é a cor. Eu queria mudar, mas você sabia que nem todas as tonalidades caem bem para a oriental?
É claro que na mídia aparece de tudo, japonesa com cabelo loiríssimo que as pessoas até acham bonito, mas na minha opinião cria um visual muito artificial.
Dei uma pesquisada em tonalidades que ficam legais para o cabelo oriental, e deixo aqui  a minha opinião.
Como a pele asiática é mais amarelada, o cabelo deve ser em tom quente, nada de tons platinados, acinzentados. Então vamos lá:

O preto ninguém precisa dizer que é a cor natural e fica sempre elegante, né? Que o diga a ex-miss universo, que por sinal é belíssima:


O castanho cai muito bem também, pode ser em tom chocolate ou mais clarinho:


E o ruivo? Também cai bem, mas sem ser aquele vermelhão artificial...


E para mudar o visual sem ser radical, que tal umas mechas?
As mechas podem ser em tons de ruivo:


















Fica lindo, mas tome cuidado, pois o ideal é deixar a raiz escura, deixando o cabelo com visual mais natural.

E nada de pintar as sobrancelhas, ok?

Ou também podem ser em tom de mel, como o que eu fiz:




























Gostaram meninas? Querem continuar falando sobre beleza aqui no blog?
Enviem-nos sugestões e dicas!

Isabela Nascimento

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Diário de Outra Adolescente Cristã: Cap 22- O uniforme


- Mãe, é este domingo! Este domingo vou poder encomendar o restante do meu uniforme de obreira.
- Domingo agora? Não… Não vou poder te dar.
- Mas… mas.. A senhora prometeu que me daria.
- Isso foi antes do caminhão do seu pai quebrar.

Poxa vida! Logo quando eu ia poder comprar meu uniforme, o motor do caminhão do meu pai fundiu. Minha mãe não era de me negar as coisas, mas agora estava com uma divida enorme para pagar. Eu olhei para minha irmã que sempre me socorria nestes momentos, mas neste dia nem ela pode me dar apoio.

Como eu ainda não trabalhava e não tinha como completar meu uniforme, procurei a pastora e expliquei a situação, ela entendeu e me disse que eu poderia trabalhar alguns dias da semana com o uniforme que eu já tinha, mas não trabalharia nem na quarta e nem no domingo, o que significava que eu teria um limite e que eu não serviria a santa ceia nem tão cedo, fiquei pensando naquela música:
“Obreiro do Senhor exemplo de amor servindo a santa ceia..."

Mas fiquei tranquila de que algo aconteceria, além das outras coisas que já estavam acontecendo. Eu havia mudado de grupo no FJU, tinha uma nova líder, e agora tomava conta de um grupo de uns 30 jovens, que era a tribo de Benjamin, no dia em que fiquei sabendo voltei para casa sentindo um peso nas costas. Não! Não me entenda mal, cuidar daqueles jovens não era um fardo, mas senti o peso da responsabilidade de levar cada uma daquelas almas a Deus.

Em uma sexta-feira a minha nova líder me chamou:
- Pois não obreira Natália.
Eu admirava muito esta obreira, além dos seus lindos olhos azuis, ela era aquele tipo de pessoa que expressa uma certa maturidade, apesar de ser apenas uns 3 anos mais velha que eu.
- Toma é para você.
Ela entregou uma sacolinha na minha mão e eu não imaginava o que tinha ali dentro. Lá estava um spencer lilás e roxo, era a parte do meu uniforme que estava faltando.
- A Aline deixou comigo para o caso de alguma de vocês precisarem, e como eu soube que você está precisando...

Neste dia eu vi o que era uma maldição se tornar em benção, algo tão ruim que afetou a vida financeira da minha família, me fez ser escolhida para receber aquele uniforme e também autorizada a usa-lo. Eu falei para minhas amigas que aquilo era como o manto de Elias, e da mesma forma como a obreira Aline estava sendo usada no altar, eu também seria um dia, falamos disso por horas, aliás esse era o nosso assunto principal: A obra de Deus, as campanhas, os propósitos, o povo, a bíblia e por aí vai... Então começamos um proposito de oração nesse sentido e isso durou por muitos anos, todos os domingos depois da reunião das 18hs, e sempre orávamos pela Dn. Aline que estava lá na Inglaterra. É interessante como gestos tão simples, é tão impactante na vida de alguém e acarreta muitas bençãos na vida de quem faz. :)

Semana que vem vou falar de uma fase em que uma palavra me atormentou. Talvez esta palavra também te atormenta. Será que você sabe qual é? Começa com I e termina com E.

Ps: A foto acima é minha irmã, eu (com o uniforme de obreira) e minha mãe.



Beijos e até a próxima,

Cap 23









quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Quem é a mulher de Deus? - Parte 2

Parabéns! Muitas acertaram!!
Mas alguém dirá: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me essa tua fé sem as obras, e eu, com as obras, te mostrarei a minha fé. Tiago 2:18
Como podemos separar a fé, das obras? E como separar as obras do seu extremo, o sacrifício? Impossível!
A fé não é algo teórico e sim prático, que se materializa nas obras, ações, sacrifício.

A mulher que quer ser verdadeiramente de Deus, tem que saber que o viver pela fé, exige prática dessa fé, sacrifício.
Se você não vive sacrificando a sua vontade, provavelmente não tem vivido pela fé. Pois a fé, é contrária a nossa vontade humana. E como ser de Deus sem sacrificar, se Ele, nosso Senhor Jesus foi a prova mais visível que essa é a maior prova de amor?

E quando digo sacrifício, é em tudo! No negar a sua vontade no seu dia-a-dia, em fazer coisas a mais em favor de sua fé, participar de campanhas que desafiam a sua fé e tudo mais - sim, mesmo se no seu caso você é uma esposa de pastor...

O segredo para qualquer mulher continuar sendo de Deus para sempre, é sacrificar. Não tem outro caminho.

Você pode fazer vigílias e mais vigílias de oração, saber toda a Bíblia, e confessá-la em alto e bom som. Se você não práticar a fé, se não sacrificar a sua vontade, JAMAIS será a mulher de Deus que deseja ser.

Sabe por que você vê diferença entre as mulheres da igreja que você conhece? Aí está a resposta, no sacrifício, no que elas oferecem no Altar diariamente, espiritualmente, fisicamente e até financeiramente.

Poucas gostam desse assunto, e pode ter certeza que essas são aquelas que não sacrificam como deveriam...

Você tem vivido uma vida de sacrifício para agradar a Deus?
Como você pode identificar que o seu sacrifício tem sido oferecido para Deus e pra mais ninguém?

Continuaremos...

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Quem é a mulher de Deus?


'Como posso ser uma mulher de Deus? O que devo fazer pra me tornar uma mulher que agrada a Deus?'

Essa é a pergunta de muitas meninas e mulheres que desejam se tornar de Deus.
Porém, muitas confundem a idéia de mulher de Deus com a idéia de uma mulher perfeita...

Pense na mulher de Provérbios 31... cá pra nós, sabemos que ela não é uma mulher perfeita, mas a impressão que dá é isso não é?

E sabe por quê? Por que ela vive pela fé! Suas atitudes são baseadas em uma crença e não no que se sente... Você acha que se ela se apoiasse em seus sentimentos seria capaz de fazer tudo o que está escrito sobre ela? Duvido!

A mulher de Deus é a mulher que vive pela fé e não movida pelos seus sentimentos... Raridade nos dias de hoje. Por isso as mulheres de Deus são tão admiráveis.

Hoje em dia, o mundo gira em torno de sentimentos... 'Siga seu coração', Vá pelo que está sentindo', 'Se entregue ao seus sentimentos' e etc...

Porém a mulher de Deus anda na contramão desse mundo e vai contra os seus sentimentos. Ela vai de acordo com o crê, com o que está escrito na Palavra de Deus. E não estou aqui falando de uma religião, mas de uma fé, fé de que tudo aquilo que está escrito na Bíblia é a verdade e o guia para a sua vida. Ela tem provado isso nas suas experiências do dia-a-dia.

E ser de Deus, não se resume em pedir a Deus que a faça assim. Ser de Deus, é usar a sua fé em todas as situações do dia-a-dia. É vigiar, constantemente para que sempre faça as escolhas baseadas pela fé e não pelo que se sente ou pelo calor do momento.

Pedir a Deus que a molde é importante mas não é tudo... Requer ação, prática e uma outra palavra bem familiar para aquelas que verdadeiramente vivem a fé... alguém sabe que palavra é essa?

Continua quarta-feira...


sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Dicas: Penteados para a formatura

Vou ser sincera, estava na dúvida se postava ou não alguma dica referente a formatura pois imaginei que já teria muito deste assunto em outros blogs, já que em dezembro teremos um dia muito especial que será a formatura do Godllywood! Porém eu estava pensando em fazer um penteado, tive que dar uma pesquisada e imaginei que o tema poderia ajudar vocês.

Então vou deixar aqui algumas idéias sobre penteados, lembrando que o grande truque da maioria deles é o spray de cabelos, grampos e em alguns casos elásticos, espero que gostem...




















Minha criatividade está borbulhando dentro de mim rsrs... Gostaram? Beijos e até a próxima!