segunda-feira, 24 de novembro de 2014

A perfeitinha, a tô nem aí, e os seus problemas...


O problema maior da perfeitinha é que além de ela se ver como a tal, a santa, a que é melhor que os outros, o que é muito feio numa mulher - ela também tem grandes chances de ficar solitária.
Afinal, quem é que gosta de ficar ao lado de alguém que mesmo sem abrir a boca lhe faz sentir tão pequenininha!?
Ela pode até ser admirada, mas só de longe... Ela parece uma mulher super difícil de ser alcançada.
É como a Barbie sabe, ela é linda! Mas como sabemos que nunca seremos como ela, nem tentamos... E na verdade as que tentam ficam feias não é mesmo? Artificiais... sabemos que tem algo errado ali.
As perfeitinhas não percebem que por mais que tentam esconder todos os seus erros, acabam deixando um ponto de interrogação na cabeça das pessoas, pois já está mais do que claro, que ninguém é perfeito, então provavelmente tem algo muito errado ali.
Não é questão de julgar... é a realidade.

Já a 'tô nem aí' é outra que tem grandes chances de ficar sozinha também, afinal, ter uma pessoa ao seu lado que não faz o mínimo para mudar, ou para pelo menos ser agradável, não dá né?
Geralmente a 'tô nem aí' é admirada, pelo seu jeito 'cool' de ser... ela parece não se importar com o que os outros dizem... Parece até que ela está acima das críticas e dos problemas. Aparentemente ela é forte, mas o que muitos não sabem é que esse comportamento dela, provém de frustrações escondidas.
Sabe quando você tenta 'de tudo' pra mudar e não consegue, e chega uma hora que você fala assim: 'Ah pouco me importo agora! Vou ser assim e acabou!' Pois é... o mundo está cheio de mulheres 'tô nem aí' que na verdade são mulheres frustradas com suas próprias mudanças.
Na verdade elas cansaram de tentar mudar, e hoje tomam essa postura, pra não ficar feio pra elas, e pra que as suas frustrações não fiquem evidentes.

Realmente as duas sofrem, mas qual é a raíz dessas duas características em mulheres?

Quais as precauções que preciso tomar para não me tornar uma delas?

Continua no próximo post...



terça-feira, 18 de novembro de 2014

Diário de Outra Adolescente Cristã: Cap 19- Valeu a pena cada balinha



Pleno calor de novembro, é cedo, mas o sol já começa a arder, cada uma aguarda de um lado da rua com os seus pacotinhos de bala na mão, olhamos o semáforo fixamente: Verde, amarelo, vermelho, corre! Um pacotinho por carro, colocamos no retrovisor, lá já tem um recadinho com o valor, depois voltamos correndo de volta para retirar o que ficou ou pegar o dinheiro:
- Por favor! Por favor compra!

Sempre tem alguém que demora para achar uma moedinha no meio das suas coisas, e quando eu olho o farol abriu e eu estou no meio da rua torcendo para nenhum carro me pegar. Ufa...Que trabalhão! Mas no final de tudo a gente ainda dava risada enquanto dividíamos um pão e mastigávamos uma bala de café e uma de leite rs. Quando finalmente estava tudo vendido, era hora de recomeçar, comprar de novo as balas e embalar.
Eu nunca tinha trabalhado tão duro na vida, ainda mais para colocar tudo no envelope, mas descer do altar com a certeza de que foi aceito, vale a pena cada balinha.

Pouco tempo depois daquela Fogueira Santa, todos os colaboradores foram chamados as pressas, foi tudo tão rápido em questão de minutos ficou definido. Alguns seriam obreiros, outros esperariam mais e ficariam como membros, e outros como eu permaneceriam como colaborador. Depois foram escolhidos mais alguns, eu fiquei muito feliz na consagração deles, sabe aquele momento que não é sobre você e a felicidade do outro é a sua?

Os meninos do FJU, a Cris, a De, a My, a Nise, a Ma, a Tami e etc, todos já eram obreiros e as vezes eu olhava para os lados e me sentia a última colaboradora que existia. Ainda bem que tinha a Bru que sempre me fazia companhia enquanto passávamos horas a esperar se seriamos ou não entrevistados naquele dia. O nosso uniforme já era quase de obreira, sapato de obreira, saia de obreira e camisa branca, mas ainda eramos colaboradoras. Antes de ir para a sala de atendimento sempre orávamos antes:
- Meu Deus completa a obra que o Senhor começou.

As obreiras sempre nos motivavam, falavam para fazermos proposito e nos humilhar diante de Deus, na verdade eu estava feliz com o talento que Deus tinha me dado, mas assim como eu orei, desejava que aquela obra fosse completa. Teve uma vez que me falaram:
- Ah… mas você não é nada, colaborador não é obreiro.
Eu não achava que seria alguma coisa quando fosse obreira, geralmente respondia comentários assim com o silêncio, mas uma vez um senhor insistiu comigo:
- Mas você é o quê?
Então eu tive que responder com um sorriso nos lábios:
- Sou serva de Deus!

Outra pessoa também foi abençoada nesta época, vocês imaginam quem é? Foi a obreira Aline. Ficamos tão felizes quando ela casou com aquele pastor que veio da Inglaterra, era a primeira obreira que víamos sair do nosso meio, ficávamos imaginando o nosso futuro através do presente dela. Ela era tema em várias de nossa conversas...haha...Tadinha nem imaginava que falávamos tanto dela. Quem nos trazia as noticias era a obreira Natalia, que também era alvo da nossa admiração rs.

Então um dia chegou a minha vez de ser abençoada, na semana que vem eu conto mais.

Ps: Não era esse recadinho que colocávamos nos carros, mas esse é tão fofo que não resistir :)

Até a próxima,



segunda-feira, 17 de novembro de 2014

A perfeitinha e a 'tô nem aí'!

Miss perfeitinha
Oi gente! Voltei :)

Hoje venho aqui falar sobre dois tipos de mulheres que existem em peso na sociedade... As perfeitinhas, e as 'tô nem aí', rs...

A perfeitinha é aquela que quer agradar todo mundo, e passa a sua vida preocupada se as pessoas gostam dela ou não. A hipótese de que alguém não gosta dela, é quase um crime... Descobrir um erro ou uma falta dela, é quase a morte! Ela exige demais de si mesma, e por consequência, exige demais dos outros também. Ela sabe que não é perfeita e que nunca vai ser, mas é essa a aparência que quer manter... 

Já a 'tô nem aí', é aquela que está pouco se importando com o que os
Miss 'tô nem aí'!
outros pensam ou falam a respeito dela. Ela afirma de pés juntos que ninguém é perfeito, e por isso, se alguém tenta lhe dar um conselho de como ela poderia ser melhor, ela logo usa essa desculpa e impõe que todos tem que aceitá-la do jeito que ela é.
Ela sabe que não vai agradar a todos, e por isso fala o que pensa, sem se importar com os sentimentos das pessoas. Ela já assumiu a sua identidade de 'tô nem aí' e é assim que vive a sua vida.

Você conhece mulheres assim? Tem sido ou já foi uma delas?

Na sua opinião Qual delas você acha que sofre menos...?

Continua no próximo post...

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Fazendo a Coisa Certa: Ser feliz!



"Quando eu casar, vou ser feliz"
"Quando eu arranjar aquele emprego, vou ser feliz"
"Quando eu tiver um filho, vou ser feliz"
"Quando eu prosperar, vou ser feliz"
 
Talvez você pense alguma dessas coisas, mas veja o que a Bíblia diz:
 
"E o que confia no Senhor, esse é feliz." Salmos 16:20
 
Entendo que os momentos em que mais temos que mostrar a nossa confiança em Deus são os mais difíceis, aqueles em que estamos passando por lutas, em que estamos sofrendo, em situações complicadas.
E é justamente nessa hora que vem o pensamento "Quando acontecer tal coisa, aí eu vou ser feliz". 
 
É claro que temos que ter sonhos e lutar para conquista-los. Deus quer que tenhamos vida em abundância!
Mas a nossa felicidade não tem que depender de nada, apenas dessa certeza de que Deus está no controle, dessa confiança nEle. E Ele sabe exatamente o que precisamos para ser felizes, por isso Ele realiza, no momento certo.
 

      Isabela Nascimento

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Diário de Outra Adolescente Cristã: Cap 18- Cooperadores de Deus





Quando eu passei por aquela porta e vi o bispo sentado com papel e caneta na mão, eu só tinha um pensamento em mente: “Seja sincera”. Quando eu sai, me dirigi ao fundo da igreja para encontrar a De e a Cris que também tinham sido entrevistadas, elas estavam com uma carinha de paisagem como se nada tivesse acontecido. Enquanto eu me aproximava a obreira Cinthia chegou e perguntou a elas o que o bispo tinha falado:

- Ah… Ele falou que nós vamos assistir a reunião de candidatos.
- E você?- Ela me perguntou
- Também!
Nesse momento ela abriu os braços e falou com toda a empolgação:

- Então vocês agora são colaboradoras!
- Como assim? Não… Ele só falou sobre a reunião de candidatos.- Nós respondemos.
- Isso mesmo, só vai ficar nessa reunião agora quem for colaborador.

Nós nos olhamos e começamos a sorrir, e depois a dar pequenos pulinhos e nós abraçamos como se fosse a virada do ano...rsrs… Mal podíamos acreditar que aquilo era verdade, fomos até confirmar com a pastora que confirmou com o bispo. Sim era verdade! Mas fomos orientadas:
 
- Não quer dizer que vocês já são obreiras, são apenas algumas reuniões, se não forem aprovadas vão voltar a ser apenas do grupo jovem.

Sinceramente eu não estava preocupada com isso, o que importava era aproveitar a oportunidade de me dar mais para Deus. Logo que cheguei em casa fui correndo contar para minha mãe, que comprou meu uniforme, saia preta e camisa branca, ela ficou um pouco preocupada com o meu pai, mas não me pressionou por isso, na verdade não contamos nada a ele pois provavelmente ele não entenderia.

A primeira reunião que eu trabalhei foi em uma sexta a noite, recebi um crachá com o meu nome e atrás escrito: “Porque de Deus somos cooperadores.” I Corintios 3:9
No inicio eu fiquei um pouco perdida, apesar do meu desejo de fazer o melhor, e nessa hora eu tive que ser humilde para ouvir a orientação dos obreiros e dos outros colaboradores que já estavam a mais tempo. O pastor que eu ajudava no núcleo perto de casa também me orientou, embora agora eu não pudesse mais ajudar lá, já que as reuniões que eu deveria ajudar eram no mesmo horário do núcleo.  
Depois de pouco tempo recebemos a noticia: 

- O bispo vai atender amanhã, nesse atendimento vai ficar definido quem será obreiro.

No outro dia estávamos lá, uma hora antes do combinado, porém ele não atendeu naquele dia, e nem no outro e nem depois. Dia após dia íamos lá, e não eramos atendidos, mas eramos testado por nossa paciência, se alguém estava para desistir aquele era o momento. Nas horas em que passávamos esperando, também passávamos conversando, falávamos das nossas experiências, e de como servir melhor a Deus, ficamos tanto tempo juntos que ficamos ainda mais amigos.

Como a Fogueira Santa estava chegando, a De e a Cris tinham uma ideia em mente, eu achei que minha mãe não me deixaria ir com elas, mas por incrível que pareça ela deixou. Então nos preparamos, compramos o material e embalamos, na próxima segunda começaríamos a vender bala no farol.

Continua na próxima semana,






terça-feira, 4 de novembro de 2014

Diário de Outra Adolescente Cristã: Cap 17 - Ajudando na EBI



Tinha cerca de umas cem pessoas naquela sala. 
“Uau quantas pessoas querem ser obreiros!”
Apesar da boa vontade de todos, o bispo explicava sobre a seriedade da obra de Deus, não se pode entrar pela janela, é o próprio Deus que tem que nos conduzir pela porta, pois não é lidar com algo físico e sim com almas. Eu engolia cada uma daquelas palavras, quando ele mandou que todos ficassem em pé, apontou para mim e disse: 
- Você! Vai lá para frente.
Por incrível que pareça eu estava calma, logo outras meninas também foram escolhidas,inclusive a De e a Cris. 
- Vocês querem ser obreiras? 
- Sim senhor!!!- Responderam todas em um coro de vozes bem finas.
- Vocês vão ajudar na EBI, vão procurar a esposa responsável e ela vai orientar vocês.
- Sim senhor!

Enquanto saiamos da sala de reunião, uma garota acelerou os passos na minha frente, eu olhei ela descer a escada, ela sentou no chão e começou a chorar, por um segundo pensei que ela tivesse se machucado, quando a questionei ela me respondeu em lágrimas:
- Eu não quero cuidar de crianças, eu quero fazer a obra de Deus. 
- Não chora, as crianças também são almas.
Eu sabia disto muito bem, eu mesmo frequentei a EBI quando criança e sonhava em ser tia, de vez em quando eu já ia lá ajudar as educadoras, é incrível como se pode aprender enquanto ensina, logo aquela jovem também percebeu isso. Porém eu nunca havia ajudado no maternal, a responsável da salinha nos falou para brincar com os bebês até chegar a hora da oração e da historinha, me lembro de termos mergulhado na piscina de bolinha várias vezes, eu mesma desci no escorregador umas duas, depois é que eu entendi que “brincar com elas” não era no sentido literal, mas era só para distrai-las. “ Ah… Como eu não pensei nisso antes?” rsrs..

Enquanto os meses passavam várias situações iam acontecendo que para mim era o fim da picada, mas era para que eu amadurecesse. Como por exemplo uma menina que eu queria tanto evangelizar na escola e ela não queria nada com nada, quando trouxemos o ônibus praticamente vazio de um bairro e quase choramos dentro dele, maus entendidos e situações difíceis e diversas que eu tive que aprender a lidar olhando sempre para Jesus. Até que um domingo de manhã o pastor da FJU me falou: 
- Espera do lado daquela porta, que o bispo vai entrevistar agora.  

Então eu orei com toda a sinceridade…
“Meu Deus, o Senhor sabe que eu não estou esperando nada, não estou ansiosa. Mas uma coisa eu não aceito, entrar e sair. Se eu entrar na Sua obra hoje, vai ser para sempre!”  

Continua na próxima terça,



terça-feira, 28 de outubro de 2014

Diário de Outra Adolescente Cristã: Cap 16 - Meus 15 anos



Como de costume nos conversávamos no estacionamento da igreja enquanto dividíamos um pacotinho de amendoim. Parecia difícil de acreditar que aquilo era verdade, nos havíamos sido excluídas da reunião de candidatos a obreiro, e não poderíamos voltar mais, a ficha ainda não havia caído, nos fizemos até piada da situação :), mas no fundo sabíamos que era sério, então depois de muita conversa a Cris falou:
- Vamos dar a vida aqui no que estamos fazendo, pelo grupo jovem, por essa tribo e Deus vai olhar pra gente.
- Tá ligado!!!- Nós concordamo.
Uma consolou a outra com uma palavra de fé, e ficou decidido:
- Nos não vamos mais nos importar com isso!!!

Mas era muito difícil não se importar, principalmente quando alguns candidatos se tornaram colaboradores, ainda não era definitivo, eles só poderiam ajudar em algumas reuniões, mas meu coração se apertava dentro de mim quando vi as outras jovens se preparando para trabalhar na reunião com tanta alegria, como se fosse o seu casamento...rsrs… Então eu falava para mim mesma:

“Tudo tem seu tempo Ariane. Confia em Deus!”

Certo dia estava voltando para casa dentro do ônibus, olhando a rua e falando com meu melhor Amigo nos meus pensamentos, Ele falou comigo, e eu pensei:

“Poxa! O vestibular será daqui há 3 anos e os professores estão nos orientando a estudar muito para passar e toda essa preparação é só para entrar em uma faculdade, imagina para a obra de Deus o quanto eu tenho que me preparar!”

Preparação, aquela palavra não saia da minha mente. Eu passei a buscar mais neste sentido, orava, fazia propósitos, continuava conversando com as pessoas no salão da igreja- conforme havia sido orientada quando era candidata- lia os livros do bispo, meditava na bíblia, me dedicava no FJU, e também no núcleo que havia perto de casa.

Algum tempo se passou e em breve meu aniversário de 15 anos chegaria, aquela era uma data muito esperada para mim há anos, sonhava em ter uma grande festa e me vestir de princesa. As minha irmãs me deram a ideia de pedir uma viagem aos meus pais no lugar de uma festa, mas o meu sonho mesmo era o baile de gala. Porém junto com aquela data também estava chegando a Fogueira Santa e eu tinha um grande decisão a fazer, então falei com a minha mãe:
- Mãe, eu não quero festa e nem presente no meu aniversário. A senhora poder me dar o valor que a senhora iria gastar? Eu quero sacrificar.
- Tudo bem, vamos ver...

Então em uma noite enquanto eu lia a bíblia no quarto, minha querida irmã abriu a porta e me mostrou um envelope branco:
- Não era isso o que você queria?- Eu sorri e balancei a cabeça.

Meu pedido no altar foi pela minha vida espiritual, eu não queria só ser obreira, mas eu queria estar pronta para permanecer até o fim! Quando eu recebi aquela noticia falando que eu não seria mais candidata eu não entendi, mas aquela situação me fez muito bem, eu nem sei como explicar o que recebi aqueles dias de Deus, eu cresci muito espiritualmente falando.
No dia do meu aniversário, eu realmente não tive festa, eu sacrifiquei tudo, mas minha mãe me levou ao cinema para assistir “Procurando Nemo” hahaha… Apesar de simples, foi um dia muito melhor do que eu havia imaginado para os meus 15 anos.

E toda aquela ansiedade sobre a obra de Deus havia saído de mim- Graças a Deus! rs- Até que em um domingo em que eu estava bem tranquila, as meninas me chamaram e disseram:
- Vem! Vamos subir, vai haver uma reunião agora para quem tem o desejo de ser obreiro!

Eu não pensei duas vezes e fui, mas no meu munidinho de Bob eu fiquei imaginando alguém nos barrando e dizendo:
“ Ei meninas! Vocês não foram excluídas da reunião? Tá fazendo o que aqui?!!!!”


Aí,aí,aí... Continua semana que vem.



sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Dicas- 12 truques para facilitar a vida na cozinha

Olá lindas!

Hoje eu vou falar de uma relação de amor e ódio que eu tenho com a cozinha...hahaha... -não é para tanto- Por um lado eu amo cozinhar, caprichar na receita, aprender coisas novas e fazer aquela comidinha bem gostosa. Por outro lado eu detesto ficar presa na cozinha, ver o dia passar com aquele trabalho que não termina nunca, e a louça que se multiplica a cada instante! Então hoje eu trouxe para vocês alguns pequenos truques para facilitar a vida na cozinha alguns eu aprendi em casa na infância e fui aprimorando, outros eu aprendi com as amigas, e alguns eu estou aprendendo agora. Espero que gostem!

Truque#1- Cozinhando e limpando
Isso facilita muito no final do trabalho, sempre há um tempinho entre uma coisa e outra, e a louça que não se mistura e muito mais fácil de lavar. Também dá muito mais animo de lavar uma panela só rapidinho enquanto o restante da comida termina de cozinhar do que a pia cheia no final do almoço. Você também pode ir passando um paninho nos armários e no fogão caso algo respingue.


Truque#2- Congelar
A maravilha dá cozinha rápida é ter algumas coisinhas congeladas, a nossa amiga Isabela já deu umas dicas sobre isso no Fazendo a coisa certa. Por exemplo se eu vou fazer um molho para o macarrão, eu já tempero uma porção dobrada e congelo. Isso pode ser feito com muitos alimentos sem perder o sabor. Você também pode congelar temperos picadinhos como coentro, salsa, cebolinha, cebola e etc. É tão legal congelar que talvez um dia nos podemos fazer um post só sobre isso.
 




Truque#3- Usar sobremesa pronta como cobertura de bolo
Fez um bolo, mas não deu tempo de fazer a cobertura. Você pode usar uma sobremesa tipo essa para cobrir, para quem gosta fica muito bom, e depois ainda vão te pedir a receita rs:)



Truque#4- Jogar água quente no alho
A casca solta rapidinho. 


Truque#5- Doce de leite
Coloque uma lata de leite condensado na panela de pressão com água e deixe cozinhar por uns 40 minutos depois de esfriar é só abrir a lata, se deixar mais um tempinho fica mais firme, menos fica mais mole. O doce de leite fica uma delicia! 


Truque#5- Ponto do ovo cozido



Truque#6- Sem ovo estragado
Sempre que preparar uma receita, abra o ovo separadamente – em uma xícara, por exemplo – e junte-o ao restante dos ingredientes depois de verificar que ele está bom. 

Truque#7- O almoço antes do café
Deixar as coisas do almoço adiantadas bem cedinho antes mesmo do café da manhã facilita muito a vida, acho que é pelo fato de ajuda no planejamento ou por que de manhã a gente acorda mais disposta. Por ex: Colocar o feijão de molho, temperar a carne, separar os ingredientes e etc.



Truque#8- Quantidade de arroz
No geral cozinhar 1 xícara de arroz cru serve 2 pessoas mas aí depende da fome da sua fámilia rsrs...

Truque#9- Assando
Para a assadeira não ficar toda suja depois de assar carne, peixe e etc, forre ela antes com papel aluminio, a parte brilhosa para cima. Na hora de lavar é só puxar o papel com o grosso do grude e lavar a forma.


Truque#10- Colocar a mesa para a próxima refeição
Se você for servir muitas refeições no dia já coloque a mesa antes. Por exemplo coloque a mesa do almoço assim que retirar a mesa do café da manhã, e a do café da tarde assim que retirar a mesa do almoço. Eu aprendi esta no Godllywood, facilita muito já que você já vai estar com os armários abertos.

Truque#11- Frango empanado
Para empanar pedaços de frango sem fazer sujeira, coloque a farinha dentro de um saco plástico. Junte os pedaços de frango e chacoalhe até misturar bem.



Truque#12- Bolo
Uma hora antes de fazer o bolo retire a manteiga, o leite e os ovos da geladeira. Eles devem estar à temperatura ambiente quando adicionados à massa. Eu gosto de adcionar um ovo a mais para ficar mais fofinho e o fermento é sempre por último.

Truque#13- Organiza-se
Se as coisas estiverem mais fácil de achar no ármario, você cozinha mais rápido.


Truque#14- Água fervendo
Antes mesmo de começar a cozinhar coloque a água para ferver. A comida fica pronta muito mais rápido se a água já estiver fervendo (arroz, feijão, legumes), você também pode usa-la para ajudar a lavar a louça. 

Espero ter ajudado, se tiverem mais dicas compartilhe com a gente nos comentário. Beijos







quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Fazendo a Coisa Certa: se dedicar a Deus

Hoje vou deixar para vocês uma música que acho liiiiinnndaaaaaaaaaaaaaaaaa...
Para reflexão, o que tem sido o seu universo? Você tem dedicado tempo para Deus?


Um beijo e uma excelente quinta-feira para todas!


      Isabela Nascimento

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Série - Candidatas ao Altar: Mantendo o relacionamento com Deus no Altar


A minha pergunta é: como manter um relacionamento com Deus dentro do Altar? Pois sabemos que mesmo dentro da obra de Deus podemos estar longe de Deus se não vigiarmos...

Olá amiga, o segredo é um só: SACRIFÍCIO.

A vida no Altar é uma vida de sacrifício diário! Muitos pensam que o único sacrifício do pastor, é largar todos os seus sonhos pessoais e vir para o Altar só com uma malinha de roupas nas mãos.
Sem dúvida esse é um sacrifício admirável, mas se não mantemos a chama do sacrifício acesa todos os dias, mesmo no Altar, ela pode se apagar.

Não é porque agora carregamos um título ou porque já fizemos sacrifícios que muitos não teriam coragem de fazer, que não mais precisamos sacrificar.
Temos que continuar sacrificando nosso eu, nossas vontades, nossa vaidade, nosso tempo, momentos de lazer e até de descanso, para sempre agradar a Deus e serví-lO.

Outra coisa que nos faz manter a chama acesa, e que também é parte do nosso sacrifício, é estar sempre perto do povo.
Quando vemos a realidade que o povo enfrenta, problemas de deixar o cabelo em pé, vemos como somos pequenos, e se não tivermos a direção de Deus, não vamos conseguir ajudar aquelas pessoas.

Afinal, como vamos dar a resposta certa, senão for pela direção de Deus? Podemos ter experiência, conhecimento e tudo mais, mas se por detrás da nossa orientação não há a direção e o Espírito de Deus, estas não passarão de palavras bonitas que não terão efeito nenhum na vida das pessoas.

Porém quando reconhecemos que mesmo com experiência e conhecimento, dependemos de Deus, sempre nos achegamos junto a Ele para ver e entender qual é a sua vontade para cada situação.

Quer estar sempre bem com Deus? Sacrifique sempre!

Lembre-se: um Altar só era levantado, quando havia um sacrifício para ali ser oferecido.
Se você está no Altar, você tem que ser o próprio sacrifício.

Beijos a todas!
Gosto muuuuuuito de ler o comentário de vocês!